O Policial Militar é uma referência de Cidadania

Policial Militar em ação social: exemplo de cidadania
Policial Militar em ação social: exemplo de cidadania. Foto: SECOM

Poucos atores sociais têm tanto potencial de ensinar uma comunidade como os policiais militares. No caso da Polícia Militar da Bahia, por exemplo, estamos presentes nos 417 municípios baianos, dando suporte à população ininterruptamente. Além dessa infiltração territorial, temos como trabalho cotidiano mediar conflitos, garantir direitos e cobrar deveres, missões que tornam a comunidade muito sensível às nossas ações.

Para completar, somos uma instituição visível, ostensiva, que sempre é percebida onde quer que esteja. Mesmo fora de serviço o policial militar é identificado, uma vez que sua presença fardada tenha sido registrada em alguma outra circunstância por um cidadão.

Esses são os principais motivos para entendermos a referência social-comunitária que o policial militar é, mesmo que não se dê conta disso. Em sua vizinhança o policial militar é percebido como um relevante paradigma de ética, na faculdade é muito observado o modo de agir do policial militar, nas organizações religiosas o policial militar geralmente é considerado uma liderança.

“Quando defendo a Polícia Militar formando uma Corrente do Bem com a Comunidade, penso no fortalecimento de uma Corporação prestativa”

Quando um policial militar dá um conselho a um adolescente, essas palavras ficam marcadas para a vida do jovem. Quando orientamos um cidadão a não jogar lixo na rua, dificilmente ele esquecerá desse ensinamento. Ações aparentemente triviais, que não são registradas estatisticamente, tornam a atividade policial-militar um grande serviço de cidadania.

Quando defendo a Polícia Militar formando uma Corrente do Bem com a Comunidade, penso no fortalecimento de uma Corporação prestativa, tendo o policial militar como referência de cidadania em seu espaço de atuação. Essa aproximação é a melhor forma de tornar uma polícia mais eficiente, pois assim temos mais informações qualificadas vindas do cidadão, e mais cumplicidade para garantir condições seguras e claras de emprego operacional.

Se você for um cidadão policial militar, procure intensificar cada vez mais essa intimidade legítima com a comunidade. Se você for um integrante da comunidade, esteja aberto para se relacionar com o nosso homem ou mulher policial militar. Eles são referência de cidadania para a sua comunidade. Assim fortaleceremos a Corrente do Bem!

10 comentários sobre “O Policial Militar é uma referência de Cidadania

  1. Excelente iniciativa de criar a corrente do bem, fortalecendo esses Guerreiros ( as ), que todos os dias colocam suas vidas para proteger a sociedade; levando a sociedade do bem a confiar na Polícia Militar da Bahia.
    A sociedade do bem confia na PM-BA!

  2. Realmente esta corrente do bem esta dando certo, pois mostra um elo de ligação maior entre comunidade e polícia. A sociedade precisa voltar, e digo sim, voltar a confiar em sua polícia. E acredito que esta parceria e interação tem que começar de nós policiais trazendo a comunidade para perto fazendo-a confiar mais na instituição para não dar ao nosso povo baiano só aquela sensação de segurança, mas a certeza concreta de estar realmente seguro. Parabéns comandante .

  3. Manter a vida sempre direcionada por escolhas simples, que tenha como base a manutenção da nossa paz interior, e um aprendizado valioso, que não exige de nós tanto esforços. Sempre que percebemos um abalo em nosso equilíbrio, o segredo é parar, respirar e lembrar que a paz já habita nosso coração. E está sendo assim em pouco tempo de comando o senhor fez ouço a paz retornar em muitos lares Parabéns ! ! sábiaspalavras.

  4. “Esses são os principais motivos para entendermos a referência social-comunitária que o policial militar é, mesmo que não se dê conta disso.”
    Esta foi a frase que mais me marcou, Sr. Cmt Geral, pois muitos PM não sabem o potencial que têm perante a sua comunidade, ao seu grupo social mais próximo, que são as vizinhanças, condomínios, amigos, familia e locais de trabalho. É preciso que nós, Comandantes, despertemos essa importância dentro na nossa Tropa Miliciana, e dentro de seus corações. Este servidor público fardado, representa o primeiro ‘olhar” do Estado, em muitas crises, e deve procurar resolvê-las dentro da legalidade e imparcialidade. Parabéns pelo artigo! Respeitosamente. Valter Menezes – Ten Cel PM – Cmt do 18º BPM/Centro Histórico de Salvador.

  5. Senhor comandante gostaria de fazer uma pergunta, quando das abordagens o método de verificação se o cidadão esta armado não poderia em vez de ser manual de uma maneira um pouco humilhante, ser feito com detector de metais.
    Mesmo que o equipamento tenha até um preço elevado poderia fazer uma campanha para doações dos detectores.
    grato

  6. Excelência, por favor se possível faça uma coisa que nenhum outro Comandante Geral fez e que para meu ponto de vista não vai causar nenhum prejuízo ou problema, pelo contrário, vai gerar muita satisfação para todos as Praças….por favor divulgue a lista de antiguidade das Praças (Soldados, Cabos, Sargentos e Subtenentes), pois se divulga lista de antiguidade dos Oficiais e não das Praças.

    ficaremos todos gratos por sua atitude, pois desde que ingressei na PMBA, em 1997, nunca vi nenhum Comandante Geral divulgar essas listas.

    Obrigado e fique no Amor de Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *